Carregando TV, aguarde...
Fechar
Você está em: Edificação » Palavra Profética » Trazendo as crianças para o centro da vida da igreja

Trazendo as crianças para o centro da vida da igreja

A- A+

"Crianças não acham caminhos por conta própria. E, se um adulto precisa ouvir o Evangelho para chegar até Jesus, porque seria diferente com uma criança? Portanto, cabe à igreja ser ativa nesta aproximação entre os infantes e o Senhor".

“Trazendo uma criança, colocou-a no meio deles e, tomando-a nos braços, disse-lhes: Qualquer que receber uma criança, tal como esta, em meu nome, a mim me recebe...”  Marcos 9:36-37

Você já investiu diretamente na pregação do evangelho a uma criança? Tem, na lista de pessoas por quem você ora por salvação, o nome de alguém com menos de doze anos? Consegue ver-se respondendo diante de Deus pela missão de fazer discípulos que não sejam adultos? Se dependesse do seu investimento pessoal e de tempo, essa igreja teria alguma criança?

Se usarmos de sinceridade, a maioria de nós tem que responder “não” a todas essas perguntas. E o motivo é muito simples: Falta-nos visão!

Quando Jesus, certa vez, tomou uma criança nos braços e a trouxe para o meio dos seus discípulos, dizendo-lhes que receber pequeninos como aquele em seu nome fazia parte do ministério deles, estava propositadamente tentando livrá-los de uma tendência que nós também carregamos: achar que o ministério com adultos é prioritário e o ministério com infantes é periférico.

Na verdade, nem mesmo consideramos a necessidade de pregar o evangelho aos pequeninos. Em certa ocasião Jesus disse que “dos tais é o reino dos céus” e nós ficamos com a impressão de que não há necessidade de ministrá-los, porque já estariam salvos.

De fato, um bebê ou um garotinho aprendendo a falar, sem capacidade ainda de fazer separação entre o certo e o errado, o bem e o mal, não pode responder diante de Deus. Embora ele já traga em si o pecado de Adão, é feito isento pelo sangue de Jesus. Entretanto, a partir do momento em que começa compreender, ainda que de forma primitiva, a diferença entre o certo e o errado, já pode e deve ser conduzido ao caminho do arrependimento e da salvação em Cristo.

O ministério com crianças é uma das responsabilidades primordiais da igreja. Primeiro, porque Jesus falou disso explicitamente. Sua ordem para que deixemos vir a Ele os pequeninos não deve ser entendida por nós de maneira passiva, como se “deixar vir” fosse sinônimo de “não atrapalhar”. Na verdade, crianças precisam ser conduzidas. Elas não acham caminhos por conta própria. E, se um adulto precisa ouvir o Evangelho para chegar até Jesus, porque seria diferente com uma criança? Portanto, cabe à igreja ser ativa nesta aproximação entre os infantes e o Senhor.

Em segundo lugar, esse ministério precisa ocupar um lugar central na casa de Deus porque encurtamos enormemente o caminho, economizamos esforços e evitamos muito prejuízo quando conseguimos marcar a vida de alguém com uma paixão por Jesus desde a tenra idade. Isso impedirá que esse ser humano seja ferido pelo mundo e pelo pecado, evitando que uma parte de sua vida, especialmente aquela de maior vigor, seja desperdiçada ou estragada.

A maioria de nós conheceu a Cristo já na idade adulta e, mesmo convertida, ainda traz marcas e consequências do tempo em que viveu no pecado. Se conseguirmos evitar que esse desvio aconteça na vida da geração que está começando, teremos dado um enorme salto no tempo e evitado muitos problemas.

Quando eu falo de ministério com crianças ou de tornar isso uma prioridade da igreja, por favor, não se exclua. Não pense apenas naqueles grupo restrito de irmãos e irmãs que dedica-se exclusivamente ao ministério infantil. Pense em si mesmo!

Antes que você venha com argumentos do tipo “este não é o meu chamado” ou “não tenho jeito para isso”, deixe-me argumentar. A ordem missionária de Jesus é universal. Estava falando com todos nós, quando ordenou: “Ide e pregai o evangelho a toda criatura!” Correto? Essa não é uma missão de parte da igreja, mas de cada cristão. Agora eu lhe pergunto: crianças não se encaixam no contexto de “toda criatura”? Claro que sim! Portanto, fazer delas discípulos de Cristo faz parte do nosso ministério.

Obviamente, é preciso preparar-nos para comunicar-lhes o evangelho de forma adequada, com a linguagem e dinâmica que elas compreendem. Quanto mais tenra for a idade, menos elas responderão ao apelo de parar e ouvir, pois o que elas amam é ver e sentir. Portanto, é nessa dimensão que seremos bem sucedidos em apresentar-lhes Jesus.

Como fazer isso? Um bom começo é amá-las, dar lugar a elas, fazer como o Senhor fez: tomá-las nos braços e trazê-las para o meio da igreja, para o centro da nossa convivência, para o foco da nossa atenção. Se elas sentirem que são amadas e têm valor aqui, nunca desejarão ir embora.  

 

Edifique-se

Comunidade Cristã de Ribeirão Preto - Rua Japurá, 829 - Ipiranga
Ribeirão Preto SP - CEP 14055-100 - Fone: +55 16 3633-5957
comcrist@comcrist.org
Desenvolvido por Atual Interativa