Carregando TV, aguarde...
Fechar
Você está em: Edificação » Palavra Profética » O imensurável amor de Deus - parte 1

O imensurável amor de Deus - parte 1

A- A+

A busca intensa do apóstolo Paulo tinha um motivo: ele sabia que uma revelação do amor de Deus cala todos os nossos argumentos e nos dá todos os motivos para amá-lo e para amar gente, como Ele ama.

“A fim de poderdes compreender... qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.”  Efésios 3:18-19

Paulo estava de joelhos, orando para que uma revelação do amor de Deus leve a igreja à plenitude da vida espiritual. Essa busca intensa do apóstolo tinha um motivo: ele sabia que uma revelação do amor de Deus cala todos os nossos argumentos e nos dá todos os motivos para amá-lo e para amar gente, como Ele ama.

“Compreender”, nesse texto, é a palavra grega katalambano, que tem o sentido de “obter, tornar próprio, dominar ao ponto de incorporar como seu, tomar para si mesmo, apropriar-se”. Não se trata de uma tentativa racional de decifrar o indecifrável, mas de um exercício de fé que nos leve a ter uma revelação sobrenatural do quanto Deus nos ama.

Não há nenhuma mensagem mais importante na Bíblia do que o amor de Deus. A revelação mais importante do universo é essa. Só isso pode transformar a nossa existência!

É interessante que o apóstolo Paulo tenta descrever um amor em quatro dimensões. Ele tem largura, comprimento, altura e profundidade. O que significaria isso?

A largura do amor de Deus fala do seu caráter universal. Ele é largo porque atinge a todos os homens, indistintamente. Nunca houve um ser humano que não tenha sido amado pelo Senhor. Para Ele, não há distinção entre rico e pobre, feio e bonito, negro, branco, amarelo ou pardo, não faz diferença se alguém usa um terno italiano ou alguns trapos sujos, se recende perfume francês ou se cheira mal... Deus é apaixonado por todos os homens!

A Bíblia revela em muitas passagens a vastidão desse amor. O céu será absolutamente inclusivo, diverso, cheio de gente diferente, mas igualmente amada pelo Pai. No flash que teve da eternidade, o apóstolo João descreveu um céu de gente misturada: "Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono e perante o Cordeiro" (Ap 7:9). Deus não tem preconceitos. Ele quer a todos!

Convém ressaltar que o amor de Deus é largo porque alcança os bons e os maus. É fácil aceitarmos que Ele ama os “certinhos”, mas a verdade é que o Senhor ama igualmente os piores. O mais perverso dos homens é alvo da sua paixão!

Fiquei impressionado com o testemunho que li, de um pastor que pregou o evangelho num presídio feminino. Havia ali uma mulher que não interagia com as outras, pois era rejeitada pelas demais. Ao perguntar se ela cria que todos os seus pecados poderiam ser perdoados, em Cristo, o pastor conta que ela, chorando muito, dizia crer. Então, ele lhe disse: "Pois então tudo o que você fez está perdoado!". Logo, as pessoas à sua volta reagiram com inquietação. Chamaram-no num canto e lhe perguntaram: "Você sabe o que esta criminosa já fez?".

Ele não sabia, mas aquela presidiária havia sido uma feiticeira, fizera parte de um grupo satanista em Goiás, que sequestrava e matava crianças de sete anos e comia seus corações num ritual macabro... Ela havia feito coisas tão horrendas, que era vista como um monstro pelas outras detentas. Ao ouvir sua história, um tanto abalado, o pastor voltou a ela e reafirmou: "Todos os seus pecados estão perdoados, porque nada do que você fez é maior que a cruz de Cristo!"

Ficamos chocados com algo assim, mas o amor de Deus é largo. Aquela mulher se converteu e, depois de alguns anos caminhando na fé, faleceu... Hoje, provavelmente ela está com o Senhor, porque o amor de Deus é para todos os homens e ela o aceitou.

O amor de Deus alcança todos aqueles são rejeitados. Para Ele, não há pessoas asquerosas, sem valor, inúteis. Jesus, que era a encanação desse amor, andou por essa terra tocando em leprosos, dando atenção à samaritanas, cuidando dos pobres, investindo em gente que era marginalizada... Uma igreja que se diz de Cristo, precisa andar nessa mesma direção!

Paulo faz referência também ao comprimento do amor de Deus. Creio que isso fala do seu caráter eterno. O amor de Deus por cada um de nós é, não apenas largo, mas longo. Ele nunca acabará! Começou numa eternidade e avançará para a outra eternidade. Jeremias diz: "De longe se me deixou ver o Senhor, dizendo: Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí" (Jr 31:3).

Uma das verdades mais profundas da Bíblia é que o amor de Deus começou na eternidade, antes que existíssemos. A nossa queda não o apanhou de surpresa. Ele sabia que lhe viraríamos as costas, e que seria necessário morrer por nós. Ainda assim nos amou e, por nos amar, nos trouxe à existência. Antes de existir uma cruz no Gólgota, já havia uma cruz no coração de Deus! É por isso que a Bíblia fala do "Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo" (Ap 13:8).

Não é maravilhoso pensarmos que, não somente a nossa salvação, mas a nossa existência é fruto da paixão que Deus tem por nós?! Ele poderia ter nos lançado do lixo, quando ainda éramos um esboço em sua mente, sabendo do preço que teria que pagar por nós, mas não o fez. Se você existe, credite isto ao amor do Pai! Ele é apaixonado por você desde sempre e para sempre!

 

Edifique-se

Comunidade Cristã de Ribeirão Preto - Rua Japurá, 829 - Ipiranga
Ribeirão Preto SP - CEP 14055-100 - Fone: +55 16 3633-5957
comcrist@comcrist.org
Desenvolvido por Atual Interativa