Carregando TV, aguarde...
Fechar
Você está em: Edificação » Doze Cestos Cheios » O valor de cada um

O valor de cada um

A- A+

"Por isto tambem de um, aliás já amortecido, saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do ce e inumerável como a areia que está na praia do mar" - Hebreus 11:12

O Senhor nos tem chamado a ser pais de multidão, incontável como as estrelas do céu e a areia do mar. Somos herdeiros de Abraão e também herdeiros das promessas que Deus lhe fez. Você pode creri sto? Agora, de que maneira uma pessoa como eu e você se torna pai de multidões?

Assim como aconteceu com Abraão, nosso pai na fé, teremos uma multidão quando compreendermos o valor de uma só pessoa. Abraão não tinha filhos, apenas a promessa de Deus. Quando Isaque nasceu, viu nele o cumprimento da palavra do Senhor, creu que de um filho apenas o Senhor suscitaria uma nação forte. Hoje nos tornamos filhos de Abraão através de Cristo Jesus. A promessa se cumpriu! Um povo incontável em toda a face da terra, de todas as língua, tribos e raças. Mas tudo veio de apenas um filho que Deus lhe deu. Abraão o amava e sabia qual era o valor e significado daquele filho único.

Abraão é nosso pai na fé, porém o autor e consumador de nossa fé é Jesus. É impossível falar nesse assunto, sem falar de Jesus. Vamos aprender com nosso Mestre como conquistar multidões?

No capítulo 4 de João, é narrado o encontro de Jesus com uma mulher samaritana. Segundo o costume da época, ela seria uma pessoa sem valor para os judeus: Em primeiro lugar, era uma mulher e as mulheres não tinham um lugar de destaque naquela sociedade. Em segundo lugar, samaritana. Os samaritanos eram considerados impuros, um povo misturado e. por isso mesmo, desprezado pelos judeus. Para piorar, ela era adúltera, já havia se casado com cinco homens, e o que naquele momento mantinha relacionamento com ela não era seu marido.

No entanto, a mulher samaritana não foi desprezada por Jesus, para seu espanto. Ele inicia uma aproximação. Isto foi tão surpreendente que ela lhe respondeu: "Como sendo tu judeu pedes de beber a mim que sou mulher samaritana?"
Jesus não via uma mulher samaritana adúltera. Seus olhos viram uma mãe de multidões! Por isso a valorizou, importou-se com sua história e sua dor. Ela precisava ser amada, curada, valorizada. Foi isto que Jesus fez.

Quando comparamos a visão de Jesus com a visão de seus discípulos, percebemos uma grande diferença, que tornou-se uma lição para eles. Os foco dos discípulos estava na comida que poderiam encontrar na cidade. Talvez até tivessem cruzado com aquela mulher no caminho, mas não a viram e, ao retornarem, os vemos insistindo com Jesus para que comesse. A resposta de Jesus foi muito interessante: "Neste ínterim, os discípulos lhe rogavam dizendo: Mestre come! Mas ele lhes disse: Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis" (vs 31, 32).

O foco de Jesus não estava na comida que os discípulos trouxeram, mas o que alimentava o Senhor era ver vidas salvas, transformadas. O melhor alimento que Jesus pode provar naquele dia foi ver a vida daquela mulher ser resgatada.

A cidade tinha um valor para os discípulos, era um lugar onde poderiam encontrar comida. Mas para Jesus, a cidade tinha algo mais importante que a comida: uma mulher samaritana, e atrás dela uma multidão. "Muitos samaritanos daquela cidade creram nele, em virtude do testemunho daquela mulher, que anunciara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. Vindo pois os samaritanos ter com Jesus, pediam-lhe que permanecesse com eles" (vs 39, 40).

Se quisermos nos tornar pais e mães de multidões, precisaremos aprender com Jesus a olhar para uma pessoa com olhos de valorização, ainda que sua aparência seja desprezível ou indigna segundo nossos padrões humanos. Se olharmos para além da aparência, poderemos ver sua importância, e então perceberemos que vale à pena interromper o trabalho ou o lazer para dar-lhe atenção. Se olharmos para cada pessoa como um Isaque que Deus nos dá, então teremos uma multidão.

Nunca vamos ver a promessa se cumprir se não aprendermos a valorizar cada pessoa. Quantos samaritanos têm se perdido porque em nosso trabalho só vemos tarefas, patrão, salário. Enquanto nos supermercado só virmos comida, preços e promoções ou na escola, só enxergarmos livros, estudo, notas, não estaremos prontos para avnaçar na visão

Ao seu redor existem pessoas que valem o sangue de Jesus. Elas estão apenas esperando que você se aproxime, consolide-as, cure-as. Elas trarão atrás de si uma multidão sem fim. Aí está o seu Isaque, o começo da sua promessa. A multidão está por trás do valor que damos a cada indivíduo.

Pr. Carlos Alberto Januário

Por autor

Edifique-se

Comunidade Cristã de Ribeirão Preto - Rua Japurá, 829 - Ipiranga
Ribeirão Preto SP - CEP 14055-100 - Fone: +55 16 3633-5957
comcrist@comcrist.org
Desenvolvido por Atual Interativa