Carregando TV, aguarde...
Fechar
Você está em: Edificação » Doze Cestos Cheios » Gratidão – a melhor resposta

Gratidão – a melhor resposta

A- A+

Celebrar Ação de Graças, ou simplesmente agradecer, parte do princípio de que um benefício nos foi feito e por isso, mesmo em meio às circunstâncias difíceis que atravessamos, devemos dar graças.

Como posso retribuir ao Senhor toda a sua bondade para comigo? Erguerei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor. Cumprirei para com o Senhor os meus votos, na presença de todo o seu povo”. Salmo 116:12-14 

Na última quinta-feira celebramos o Dia de Ação de Graças. Essa data, já antiga no calendário comemorativo brasileiro, andava meio esquecida até o início desta década, quando houve uma oportuna iniciativa de resgatá-la. Parece que está caindo no gosto da população, independente do credo professado pelas pessoas, pois é um convite a que se agradeça a Deus por sua bondade. A origem da data remonta à colonização norteamericana, quando os primeiros imigrantes ingleses realizaram sua primeira colheita no novo continente. Com a alma cheia de gratidão pela provisão de Deus, alegres por estarem em uma terra onde podiam cultuar livremente, fizeram uma grande festa simplesmente para “dar graças”.

Celebrar Ação de Graças, ou simplesmente agradecer, parte do princípio de que um benefício nos foi feito. O verso 12 do Salmo 116 traz uma inquietante pergunta: “Como posso retribuir ao Senhor...?”. Retribuir o quê? Em nossa cultura imediatista, queremos sempre buscar algo prático, concreto, recente - e grande - que nos tenha acontecido para encontrarmos razões para agradecer. Porém, a razão para a gratidão repousa no caráter de Deus. Sendo autossuficiente, Ele precisava haver nos criado? Claro que não. Então, por que o fez? Como Ele é amor (1 João 4:8), criou-nos por amor, porque não existe amor que não se expresse. Criou-nos para um relacionamento de amor. Assim, ainda que não houvesse mais nada para “dar graças”, o simples fato de existirmos já seria o bastante.

Essa questão de gratidão toca na maneira como enxergamos a vida, ou seja, qual a nossa perspectiva. Sempre podemos olhar o mesmo fato de maneiras diferentes. Um exemplo comum é o de um copo com água até a metade: ele está meio cheio, ou meio vazio? Depende da ênfase que se quer dar. Em minha casa, temos buscado ter uma perspectiva positiva sobre os reveses que nos acontecem. Minhas filhas, quando algo ocorre de maneira que escape ao nosso controle (um atraso por razões alheias à nossa vontade, o cancelamento de um evento, etc), aprenderam a dizer: “Deus deve estar nos livrando de alguma coisa”.

Com a certeza de que não é possível “pagar” nada ao Senhor pelos benefícios, o salmista prossegue dizendo “erguerei o cálice da salvação...”. Isso traz a ideia de gratidão por aquilo que Ele fez. No Antigo Testamento, “salvação” normalmente referia-se a um ato de livramento da parte de Deus. Para nós, que estamos sob a Nova Aliança, o sentido é ainda mais amplo. Deus não apenas nos livra em situações específicas, mas proveu, em Cristo, salvação eterna. Ele, que nos criou por amor, através do sacrifício de Seu filho unigênito, resgatou-nos da tirania do pecado e da morte, e acolherá nas moradas eternas aqueles que responderam ao maior dos benefícios!

É por causa disso que, mesmo em meio às circunstâncias difíceis que atravessamos, podemos dar graças. O profeta Habacuque, corajosamente declarou: Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação (Habacuque 3:17-18). As dificuldades presentes nunca terão o poder de diminuir o caráter salvador de Deus. Não foi por acaso que Ele determinou que o nome a ser dado ao Seu filho seria Jesus, que significa salvador, ou Deus salva. Ainda que não entendamos cada acontecimento, podemos confiar em Sua bondade. Como disse Jó, em meio aos maiores sofrimentos, “Eu sei que o meu Redentor vive, e que no fim se levantará sobre a terra” (Jó 19:25).

O texto prossegue com a afirmação “invocarei o nome do Senhor”. O sentido dessa frase, mais do que pedir ajuda em um momento de crise, envolve colocar-se sob a autoridade da pessoa que “porta” aquele nome. Assim, quando invoco o nome Dele, ou quando clamo por Ele, estou dizendo: “eu me submeto à Sua autoridade, pois pertenço a Ele”. Isso amplia a ideia da salvação. Ele me salva porque sou Dele, e Ele tem todos os recursos para tal. Nunca será difícil para Ele o ato de salvar. Tudo o que precisamos fazer, quando reconhecemos nossa incapacidade de pagar por seus benefícios, é humildemente aceitar Seu gesto amoroso de salvação, e rendermo-nos a Ele.

Cumprirei para com o Senhor os meus votos” prossegue o texto. Somos salvos pela graça, e não há nada que possamos fazer para acrescentar a isso. Entretanto, Deus espera uma resposta. Uma vez salvos, devemos andar de acordo com nossa identidade. Seguir levando uma vida cheia de atitudes pecaminosas seria o mesmo que alguém que terminou de cumprir sua pena em uma penitenciária, podendo agora viver em uma mansão, dizer: “Ok... estou livre, mas continuarei a fazer minhas refeições e dormir na penitenciária”. Uma vez livres, andemos na liberdade a que fomos chamados.

O salmista finaliza com a observação de que tudo isto ocorrerá “na presença de todo o seu povo”. Há uma dimensão particular de gratidão, que deve ser feita no “lugar secreto”, na vida de oração. Porém, o Senhor não nos salvou secretamente, mas fora das portas de Jerusalém, a loucura da Cruz ocorreu à vista de todos. Da mesma forma devemos anunciar ao mundo que fomos salvos, e manifestar gratidão por isso. Essa atitude contagiará muitos outros. Em nossa gratidão, cumprimos o nosso papel de “oficiais de justiça” que devem anunciar àqueles que estão em cadeias, que o preço por sua liberdade foi pago há 2000 anos!

Que o fato de comemorarmos um dia especial para agradecer seja um lembrete a todos nós que Ação de Graças é algo que deve ocorrer diariamente. A cada dia, lembremo-nos que Suas misericórdias se renovaram sobre nós, e que ainda que nos faltem as palavras, sempre poderemos dizer: “Obrigado, Senhor”.

 

Por autor

Edifique-se

Comunidade Cristã de Ribeirão Preto - Rua Japurá, 829 - Ipiranga
Ribeirão Preto SP - CEP 14055-100 - Fone: +55 16 3633-5957
comcrist@comcrist.org
Desenvolvido por Atual Interativa