Carregando TV, aguarde...
Fechar
Você está em: Edificação » Doze Cestos Cheios » Ainda não acabou

Ainda não acabou

A- A+

“O caminho do justo é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” - Provérbios 4:18

Todas as pessoas nascem com um propósito. Não somos frutos do acaso, ou da vontade arbitrária de algum deus caprichoso que gosta de jogar com os destinos das criaturas. Não; fomos criados pelo único e verdadeiro Deus, que nos fez com amor, e para que sejamos felizes em nossa existência terrena, e não somente no céu.

Infelizmente, a maioria das pessoas não vive o propósito para o qual Deus as fez. Muitas sequer crêem na existência do propósito. Isso é verdade tanto para cristãos como para as demais pessoas. Essa foi a minha situação durante muitos anos. Eu “vivia por viver”. Depois de minha conversão, passei a imaginar que nutrir sonhos ou ideais era algo por demais humano ou egocêntrico. Achei que viver uma vida simples, com um dia após ou outro, sem grandes realizações era um grande testemunho de humildade e espiritualidade. Triste engano! Deus quer a nossa felicidade, e embora a vida cristã exija renúncias, não se trata de uma vida ascética em que Deus sempre contrariará nossos desejos e aspirações mais interiores, sobretudo quando estes nasceram a partir de uma vida de comunhão com Ele.

Há propósitos gerais – coisas que devem ser buscadas por todos os filhos de Deus – e propósitos particulares e específicos. Cada um de nós foi criado de maneira singular, com características únicas, e com aspectos distintivos de todos os demais seres. Na categoria de propósitos gerais, eu incluiria o sermos feitos para o louvor da glória de Deus, evangelizar os perdidos, discipulá-los, etc. Todos devem buscar essas coisas, correto? Agora, há coisas que serão alcançadas e realizadas por você, e não por mim. Uma de nossas tarefas primordiais é descobrir esses propósitos específicos e fazer o que nos compete para cumpri-los.

Quando descobrimos os propósitos específicos, uma outra dificuldade se nos apresenta: como lidar com os obstáculos que encontramos quando tentamos alcançar os alvos estabelecidos em Deus? O que pode nos fazer perseverar, mesmo em meio às barreiras e frustrações?

Em primeiro lugar, é fundamental entendermos que Deus não terminou sua obra em nós. Há um processo em nossas vidas. Se, posicionalmente estamos salvos, de maneira prática, estamos sendo salvos a cada dia. Quero dizer, temos segurança de nossa salvação, mas esta deve ser aplicada aos aspectos práticos de nossas vidas constantemente. Em Filipenses 2:12, somos advertidos a “desenvolver a salvação”. Eu entendo, ao menos no que respeita a mim mesmo, que minha alma traz uma placa invisível (que eu gostaria que pudesse ser vista pelos outros) com a inscrição “em obras”. Se perdemos essa realidade de vista, a probabilidade de nos tornarmos cristãos derrotados, frustrados e inefetivos é muito grande. Quem ousaria dizer que não há aspecto algum a ser aperfeiçoado em sua vida?  A negação dessa realidade gera dois tipos de pessoas: os totalmente derrotados, que crêem que não há solução para eles, e os pseudo-vitoriosos, fariseus que acham que não há nada mais a ser alcançado, pois já são perfeitos.

Algo que também pode nos ajudar a viver o propósito de Deus é “deixar as coisas que ficam para trás”(Filipenses 3:13-14). O passado tem o estranho poder de nos prender, e impedir-nos de viver as coisas que estão adiante de nós. Quando falamos sobre acontecimentos do passado que nos prendem, pensamos imediatamente em eventos traumáticos, e essa é uma parte da verdade. Muitas vezes, devido a uma ferida emocional ocorrida na infância, naquela área de nossas vidas, permanecemos em um estado de infantilidade. Isso explica aquelas reações imaturas que temos tantas vezes em momentos de conflitos, reações estas que nos envergonham, e nos tornam, no momento em que ocorrem, pessoas infelizes.

Entretanto, por incrível que pareça, acontecimentos bons de ontem podem também nos “segurar”, impedindo-nos de receber as bênçãos que Ele quer derramar hoje. Lembram-se do episódio em que o povo de Deus recebeu o maná do Céu? Deus lhes mandou não guardarem aquele abençoado alimento para o dia seguinte, pois Ele traria um novo maná. Alguns, por incredulidade, guardaram-no. Resultado? O maná, que havia sido uma bênção ontem, hoje estava estragado. Quando idolatramos um acontecimento do passado, ou uma fase de nossas vidas em que julgamos que fomos mais felizes do que atualmente, perdemos as grandes coisas que Deus quer nos trazer.

Finalmente, encontro a realidade de que o agir do Espírito Santo em nossas vidas é constante e progressivo. Gênesis 1:2 diz que enquanto Deus criava todas as coisas, o Espírito se movia sobre a face do abismo. O Espírito estava como que dando forma às coisas, e pondo ordem no caos. Não sei o que você pensa, mas não posso deixar de associar a situação da terra no início da criação com a minha própria vida quando fui encontrado pelo Senhor. Caos era uma boa palavra para me descrever. E o Espírito começou a mover-se, e ainda se move, pondo ordem no meu caos pessoal. Felizmente, Ele não desistiu de mim.

Deixe que Ele mesmo, o Espírito, revele a você quais os propósitos específicos para os quais você foi criado, e mais ainda, deixe que Ele leve você nessa maravilhosa aventura de ver a vontade de Deus (boa, perfeita e agradável) se desdobrar a cada dia em sua vida.

Por autor

Edifique-se

Comunidade Cristã de Ribeirão Preto - Rua Japurá, 829 - Ipiranga
Ribeirão Preto SP - CEP 14055-100 - Fone: +55 16 3633-5957
comcrist@comcrist.org
Desenvolvido por Atual Interativa